Apreciação crítica da série Breaking Bad

Apreciação crítica da série Breaking Bad

Walter Hartwell White, nascido a 7 de setembro de 1958, é um professor de Físico-Química que leciona na escola J.P. Wynne High School, localizada em New Mexico onde vive com a sua mulher Skylar White, que está grávida, e o seu outro filho Walter White Jr. Depois de alguns exames médicos, Walter White é diagnosticado com cancro no pulmão e, no máximo, restam-lhe dois anos de vida. Walter, apesar de não ficar indiferente, aceita a sua “morte” e recusa fazer tratamento. No entanto, percebe que, quando eventualmente morrer, não poderá deixar a sua família naquele estado financeiro e fica obcecado em tentar garantir estabilidade financeira após a sua morte. Então, é aí que Walter toma uma decisão drástica e contacta Jessie Pinkman (antigo aluno com historial no mundo da droga) e propõe uma parceria entre ambos, em que Walter, com os seus conhecimentos em química, produziria metanfetaminas e Jessie as venderia. Ao ínicio, Jessie estava um bocado cético perante esta proposta, mas acabou por aceitá-la. A partir daqui a série desenrola-se por mais cinco temporadas e começa a ganhar reconhecimento no início da temporada quatro. Em 2013, Breaking Bad entra para os recordes como a série com melhor avaliação de todos os tempos. Como grande apreciador de séries que sou, posso afirmar que todo o reconhecimento e boas críticas que esta série recebeu ao longo do tempo é, sem sombra de dúvida, merecido. Vince Gilligan, criador e produtor desta fantástica história e série, fez um excelente trabalho ao desenvolver Breaking Bad ao longo das suas temporadas, com reviravoltas na história impossíveis de prever e com um fantástico desenvolvimento do carácter das várias personagens existentes; ao longo da série, são poucas as que se mantêm fiéis a si mesmas desde o ínicio da história. Para além de um excelente produtor, Breaking Bad conta com um dos melhores elencos de sempre: Bryan Cranston protagonizou o papel d Walter White de uma forma que mais ninguém conseguiria, e o mesmo é aplicado a Aaron Paul, que protagoniza Jessie Pinkman. Bryan Cranston e Aaron Paul faziam transpor uma sensação de que o que o espectador estava a ver não era ficção, mas sim realidade. Ambos ganharam “Grammy Awards” com os seus excelentes desempenhos. Ver Breaking Bad é como um compromisso, é quase “impossível” ver um episódio e ficar só por ali, fica sempre a curiosidade de saber o que vai acontecer no próximo episódio e, por vezes, a tentação é maior do que a nossa própria vontade e não conseguimos resistir a não ver o próximo episódio logo no momento. Breaking Bad realmente cativou-me como nenhuma outra série o fez, talvez pelo facto de ter ouvido e lido várias revisões e todas serem extremamente positivas, ou pelo simples facto de o anúncio que aparecia na “SIC Radical” ser extremamente cativante, o que sempre me despertou curiosidade, porque, verdade seja dita, quando passa um anúncio na televisão de um homem de meia idade a produzir metanfetaminas, quem é que não fica curioso? Breaking Bad ficará para a história como uma das melhores, senão a melhor série alguma vez criada. Recomendo a sua visualização a qualquer pessoa, mas mais especificamente a pessoas que não tenham nada para fazer, como eu, e sejam apreciadoras de bom conteúdo. Garanto que quem vir Breaking Bad nunca chegará ao fim insatisfeito, aliás, muito pelo contrário, esta série supera as expetativas, que já são bastante elevadas. Ter a oportunidade de apreciar tudo nesta série, desde a banda sonora à cinematografia, foi uma experiência maravilhosa que sempre ficará gravada na minha mente.



3 pessoas gostaram disto
Faça login para poder deixar o seu like !

Escreva o seu comentário

Os comentários são todos submetidos para revisão dos administradores!
1 Comentário
Isaura Espinheira

2019-06-14 00:40:19

Um aluno brilhante só poderia produzir um texto assim: claro, coeso, crítico, com sentido de humor e cativante. Parabéns!